Prefeitura de Castelo do Piauí participa de Conferência Intermunicipal sobre Educação Popular em Campo Maior

88

Acontece nesta quinta-feira (12/04), em Campo Maior, o encontro intermunicipal sobre educação, com o tema “RESISTÊNCIA AO DESMONTE DA EDUCAÇÃO E FORTALECIMENTO DE UM PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICO”.

A Conferência Intermunicipal é um momento de discussão que tem como propósito trabalhar os indicadores e avaliações propositivas que avaliem a instrumentalização do Plano Estadual de Educação, abrangendo os municípios do território dos Carnaubais.

A audiência pública conta com as representantes da prefeitura de Castelo: a Secretária de Educação, Idala Moreira, a presidente do Conselho de Educação, professora Iranir e a professora da Educação Básica, Desterro Rocha. Estão presentes também o prefeito de Campo Maior, professor Ribinha, o ex-prefeito, Paulo Martins, e o coordenador do Fórum Estadual de Educação e superintendente de ensino da Seduc, Carlos Alberto.

“Estou representando a educação municipal na audiência pública com gestores e delegados escolhidos nas Conferências Municipais das cidades que compõem o território dos carnaubais. Com o palestrante Antonio José Medeiros que falou sobre a conjuntura educacional atual, falando dos avanços educacionais proporcionados pelo ex-presidente Lula e levados adiante com a Dilma. Na palestra, foi debatida também a crise em que estamos vivendo por falta de financiamento no governo Temer”,disse Idala.

O evento tem como finalidade cumprir as etapas preparatórias da 1ª Conferência Nacional Popular de Educação (Conape) e da 3ª Conferência Nacional de Educação (Conae), coordenadas respectivamente pelo Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) e pelo Fórum Nacional de Educação (FNE).
Conape

Entre os objetivos da Conape estão o monitoramento das metas e a análise crítica das medidas que inviabilizam a efetivação do Plano Nacional de Educação (PNE), em especial a aprovação da Emenda Constitucional 95/2016, que estabelece um teto de 20 anos aos gastos públicos federais. A medida afeta principalmente a educação.

Compartilhe